Live Tum Cult: a importância do branding para empresas e artistas

O diretor de branding Gian Meneghini falou do tripé imprescindível para o sucesso de uma marca

“Quando falta um ou quando tem muito, a gente tem um problema”, disse Gian Meneghini, na live da Tum Cult desta quinta-feira (16). O diretor de branding explicou que é preciso encontrar um equilíbrio entre esses três pilares da cultura corporativa. Mas o que é branding e por que isso é tão importante para uma empresa ou um artista? Como disse a CEO da Tum Cult Ivanna Tolotti, “são conhecimentos que a gente não domina, embora sejam da economia criativa. São ações que se complementam”. E são mesmo.

Branding

Gian explicou que o branding é o que as pessoas falam de você ou da sua empresa: “Toda essa característica que o branding tem, de entender qual é a cultura, qual é a essência, nada mais é do que algo que já é real, que é transmitido pro mercado, seja através de um artista pro público ou uma empresa pros seus clientes”. Para ele, é necessário que exista verdade, “é isso que faz com que as pessoas consigam enxergar o projeto e dar valor ao projeto”.

DNA da marca

Mas como chegar a essa verdade? Ele conta que desenvolveu uma metodologia para encontrar o DNA da marca, criando uma série de perguntas que identifiquem qual é o pensamento da diretoria, da equipe de comercial e dos clientes. Segundo Gian, através disso se “identifica a cultura da empresa, como se fosse um exame médico e, através desse diagnóstico, são tomadas as ações para que se possa melhorar o posicionamento e melhorar a estratégia”. Para ele, “quando a gente consegue inserir isso no dia a dia, entre todos os colaboradores, aí o branding acontece efetivamente”.

Posicionamento

Isso serve para o mercado da música também. Se até há alguns anos se separava o artista de sua obra, hoje ele é a sua obra. “Essa proximidade entre os dois trouxe muito a questão do branding pra dentro do mercado cultural também”, contou. Isso fica cada vez mais evidente, principalmente por causa da exposição na internet: “O que o artista fala hoje em uma rede social influência muitas pessoas”, afirmou. Para o diretor, essa responsabilidade está diretamente ligada à cultura, ainda mais no período de crise. “A arte ela tem essa função de alegrar, acho que ela é um respiro pra quem tá tão preocupado”. Como disse o Gian, “é hora de se reinventar”!